MUVIR

Como tratar dores lombares com pilates!

Na atualidade, com a constante correria, cuidado com os filhos, atenção ao trabalho e/ou os estudos, além das demandas rotineiras, como manutenção da casa, limpeza, até a mais simples das atividades, carregar as bolsas de compras para dentro de casa, pode ser um gatilho para dores agudas na lombar, famosa dor na lombar, como é comumente conhecida.

A lombalgia, como é chamada cientificamente a dor na coluna na região lombar, não é reconhecida pela comunidade cientifica como doença, uma vez que uma de suas causas principais é o estresse que, acumulado ao longo dos anos, envelhece bem como leite fora da geladeira. Apesar do tom cômico, é algo sério que precisa ser tratado com a mesma seriedade. Quando o paciente não compreende ou não tem resposta satisfatória à sua situação, pois está com dor, sente-se inseguro e ansioso, acionando o sistema de alarme do corpo. Essa reação hipersensibiliza o organismo e gera ainda mais dores, o que só prova que, além da óbvia reação ao estresse físico, a lombalgia também é agravada pela condição emocional do indivíduo.

Qual tratamento adequado?

Muitas das vezes, a dor na lombar não é tratada com a real seriedade que demanda, uma vez que é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como o principal problema de saúde funcional nos países do ocidente. É estimável que 15% a 20% dos adultos têm dores nas costas durante um único ano e 50% a 80% experimentou pelo menos um episódio de dor nas costas durante toda a vida, isto é, a maioria da população já foi afligida por este mal, não é brincadeira, é coisa séria!

Além disso, tudo pode acarretar diversas outras condições fisicamente limitantes, como a temida hérnia de disco é uma condição provocada pelo desgaste dos discos intervertebrais (estruturas que amortecem o contato entre as vértebras). Quando algum destes discos se rompe ou se desgasta, acaba comprimindo terminações nervosas, causando dores na coluna, principalmente na região lombar, além de: formigamento ou fraqueza nos braços, tronco ou pernas, o que nos piores casos, pode limitar os movimentos mais básicos, como andar, correr, sentar e praticar atividade física, além da dor aguda.


E como a atividade física, isto é, os pilates, pode ajudar nas minhas dores- ou até mesmo prevenir-?


Segundo estudos aprofundados da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), comumente, a lombalgia está ligada à presença de músculos fracos, sem resistência e encurtados. Os exercícios de Pilates trabalham o fortalecimento e a estabilização de músculos profundos, além da liberação da tensão entre eles, como o transverso do abdômen, o multífido lombar e os músculos do assoalho pélvico, além de músculos globais que, no conjunto, são essenciais para a proteção da coluna, explica ao Jornal da USP a fisioterapeuta Sandra Amaral, autora da pesquisa.

Como resultado, aquele que sofre com esse mal desenvolve uma musculatura mais forte e ganha amplitude dos movimentos livres de dor, melhorando assim a postura. “Além disso, os exercícios físicos contribuem para a liberação de opioides endógenos, substâncias internas do organismo que controlam a dor e causam bem-estar geral”. E por último, mas não menos importante, os pilates são conhecido pela extrema concentração na realização dos movimentos, então, como um benefício ´de brinde’, a prática da atividade física garante também a redução do estresse, seja ele psicológico, com os problemas do dia a dia, ou até mesmo físico que, não obstante, é uma derivação direta do que se passa na ala psicológica das nossas vidas.